De volta para o mercado

Foto: Divulgação

Retrofit revitaliza empreendimento da década de 1980, trazendo layout e operação para os tempos atuais

Estar em uma região adequada para os negócios é tão importante quanto ter uma boa infraestrutura para realizar as atividades cotidianas de uma empresa. Na cidade de São Paulo, consideramos essas regiões como grandes centros comerciais, e é fato que a capital paulista possui muitas áreas comercialmente interessantes. No entanto, nem todas possuem opções para instalação de companhias, sobretudo quando são necessárias lajes corporativas.

Dentro deste contexto, a Barzel Properties – empresa voltada para investimentos imobiliários – tem identificado verdadeiras oportunidades de locações em regiões interessantes em São Paulo. Este é o caso do Pinheiros Corporate (antigo Edifício Henrique Schaumann), empreendimento localizado na Rua Henrique Schaumann, nº 270, nas proximidades do cruzamento com a Av. Rebouças. Trata-se de uma região que possui toda a conveniência necessária para a operação de diversas empresas – especialmente as mais modernas, bastante populares nas redondezas – e ainda está próxima de avenidas importantes para a locomoção na cidade.

Mas, se a região é tão boa, por que não possui mais opções de empreendimentos com escritórios grandes e de alto padrão? Certamente, essa é primeira questão quando refletimos sobre o Pinheiros Corporate.
A resposta vem da história: o bairro de Pinheiros se desenvolveu com restrições de zoneamento, em épocas nas quais o mercado imobiliário corporativo ainda não tinha interesse na região, já que se desenvolvia em outros centros comerciais. Como resultado, a localização passou a ser uma mistura de pequenos comércios e residências, característica presente até os dias de hoje. Assim, por mais que seja uma área de extremo interesse para as empresas, quase não existem lajes corporativas capazes de lhes satisfazerem. Além disso, a possibilidade de incorporação é baixa, já que não existem muitos terrenos de grandes dimensões e, para construir, é preciso comprar diversos lotes pequenos – o que nem sempre é possível, especialmente devido ao comércio ativo na região.

Por meio da aquisição da torre do Pinheiros Corporate, no último trimestre de 2017, a Barzel Properties criou um plano de ação para o retrofit do edifício e conseguiu oferecer espaços de ótima qualidade. Cabe lembrar que o empreendimento foi inaugurado no começo da década de 1980 e, de lá para cá, passou apenas por pequenas reformas, que visaram algumas adequações e manutenções. Além disso, a torre passou boa parte desse tempo como mono usuária, ou seja, ocupada por uma única empresa. Ao longo do tempo, houve a desatualização do ativo e, consequentemente, sua vacância aumentou. “Foi um investimento que fizemos com muita clareza. Logo no começo dos nossos estudos identificamos que muitas empresas desejam um lugar assim, mas precisam de uma infraestrutura correta”, explica Carla Ponzio, diretora comercial da Barzel Properties.

Com essa necessidade, a Barzel Properties tratou de elaborar e executar o projeto de retrofit, para modernizar e fazer com que o empreendimento fosse aceito pelas empresas, além de oferecer a melhor experiência para os usuários e de melhorar a integração da torre com o entorno, estabelecendo um ganho social e visual para a região.

Revitalização

Como é de costume da Barzel Properties em seus projetos de retrofit, as medidas tomadas visaram não
somente deixar o prédio mais bonito, mas também trazê-lo para o modelo de operação moderna com o qual as empresas estão habituadas. “Desde o acabamento até as alterações estruturais que mudaram a forma como a operação funciona, fizemos o retrofit para alinhar o Pinheiros Corporate ao que o mercado demanda. Desta forma, conseguimos ‘recriar’ a torre”, diz Simone Quadrado, Gerente de Projetos da Barzel Properties.

O primeiro grande impacto, depois do retrofit, é visível logo na chegada ao empreendimento. Os vidros
antigos da fachada, que eram encaixilhados, foram trocados por uma pele de vidro, com o uso de materiais de alta tecnologia. Os vidros novos possibilitam a passagem de luz natural e reduzem a entrada de calor, o que impacta na redução do uso do sistema de condicionamento de ar e de iluminação artificial.

Ou seja, há uma baixa considerável nos gastos com energia elétrica. Além da fachada, toda a área externa
da frente da torre foi reformulada, ganhando novos jardins e espelho d’água, além de bancos e piso novos. A ideia não foi somente criar um espaço de convivência para os condôminos, mas também promover um benefício para o entorno.

Ainda na entrada, outra mudança importante foi realizada. Antes, a torre possuía duas entradas para pedestres, tanto na lateral esquerda quanto na lateral direita de quem, da rua, acessava o edifício. Com isso, além da desatualização conceitual, o visitante fi cava confuso e o controle de acesso era uma tarefa trabalhosa. Com a reforma, as duas entradas laterais foram eliminadas, dando lugar a um novo lobby central, contando com novos e modernos revestimentos nas paredes, forro e piso, além de novas
catracas e recepção bilíngue e unificada.

As garagens no subsolo também foram foco de melhorias. As mais notáveis foram a interligação dos
dois subsolos e a criação de duas novas saídas para veículos, uma em cada subsolo. O projeto original
contemplava apenas um acesso na frente do edifício para a Rua Henrique Schaumann, com espaço para a passagem de apenas um veículo, o que gerava certo transtorno. Agora, esse acesso serve apenas como
entrada. Já a saída, é feita pela Rua Paulo Gontijo de Carvalho, que passa por trás do empreendimento e leva o usuário novamente para a Rua Henrique Schaumann, mas de forma muito mais simples, rápida e prática. Outra curiosidade sobre essa série de mudanças é que, antigamente, existia um enorme cofre de concreto na torre, que era ocupada por um banco. Para ganhar mais espaço, essa caixa forte foi removida.

Também no subsolo, foi construída uma área de expedição, cuja entrada é pela Rua Paulo Gontijo de
Carvalho. Com isso, as entregas são feitas sem interferir na recepção principal – mais uma característica que alinha o empreendimento com as práticas dos prédios modernos. Por fi m, para atender à demanda cada vez mais presente, a Barzel Properties construiu um bicicletário no subsolo, com pontos de recarga para bicicletas elétricas, bem como vestiários masculino e feminino para atender quem utiliza esse meio de transporte.

Um bom lugar para trabalhar

A renovação das áreas de uso comum levou a um conforto perceptível. Com o novo projeto, as áreas
ficaram mais claras e arejadas, o que contribui, inclusive, para a qualidade de vida e para a  produtividade. E esses espaços também foram aprimorados de outras formas. Primeiramente, um antigo espaço subutilizado, que existia em uma das pequenas recepções, foi transformado em uma sala de reuniões para oito pessoas, com banheiro dedicado. Esse tipo de espaço contribui bastante para que os locatários que não participam de tantas reuniões não percam espaço locável em suas lajes com uma sala que nem sempre é utilizada com frequência. Para utilizar o espaço, basta agendar com a administração do empreendimento. Em relação à circulação vertical, a torre possui seis elevadores, sendo três de cada lado. Esses elevadores são divididos por zona e têm capacidade para 19 pessoas cada.

Toda a operação da torre é comandada pela Newmark Grubb Brasil, empresa reconhecida no setor pela qualidade dos serviços prestados, bem como pela inteligência em gestão predial. Para facilitar ainda mais o dia a dia dos usuários, a empresa mantém um gerente predial in loco, em horário comercial. Desta forma, as solicitações e os problemas são resolvidos com mais agilidade.

Lajes e ocupação

O Pinheiros Corporate possui 16 andares, sendo que a laje padrão mede 696 metros quadrados de área BOMA. A 15ª laje possui uma escada interna para o 16º andar, que possui meia laje adicional para uma empresa que precise de espaço extra menor do que uma laje inteira.

As lajes são open space, retangulares, e possuem ótima iluminação natural, sem grandes interferências na vista. Com isso, o locatário pode montar seu layout do jeito que preferir. Os andares ainda possuem ar-condicionado central e tubulação entregue até a porta de entrada das lajes, sem contar com o sistema de sprinklers e de detecção e combate a incêndios.

Ainda em relação às lajes, vale destacar a flexibilidade. Existem espaços junto aos halls dos elevadores, destinados à montagem de sanitários, CPD e DML. Contudo, esses espaços são flexíveis e podem ser disponibilizados da melhor forma para a operação. Em relação ao hall dos elevadores nos andares, foi desenvolvido um projeto de modernização dos revestimentos, em linha aos demais acabamentos adotados no térreo do edifício.

Localização

Toda essa revitalização faz ainda mais sentido quando entendemos a localização do Pinheiros Corporate. O ponto no qual a torre está permite ao usuário ter acesso, walking distance, a todo tipo de serviço e comércio do qual precisa, em diversas direções e com diversos preços (como, por exemplo, para almoçar). Do prédio, é possível chegar até o cruzamento com a Av. Rebouças e também com a Rua Teodoro Sampaio. Além da vasta oferta de linhas de ônibus, até mesmo por meio do corredor da Av. Rebouças, o prédio está a aproximadamente 600 metros de distância de duas estações da linha amarela do Metrô (Fradique Coutinho e Oscar Freire), possibilitando acesso também à malha da CPTM.

Ainda mais interessante é analisar as regiões próximas. Além do acesso fácil à Marginal Pinheiros, o endereço tem saída para as regiões da Faria Lima e da Paulista. Com isso, as empresas podem usufruir da proximidade de dois dos principais centros comerciais da cidade sem que para isso precisem aceitar as inconveniências deles, como as grandes concentrações e o trânsito intenso durante todo o dia.

Oportunidade

Por meio do retrofit e da reformulação no funcionamento e da administração, a Barzel Properties conseguiu criar algo praticamente inédito no mercado: uma torre corporativa com ótima qualidade, sem concorrência e em uma região estratégica. Prova da boa oportunidade são os 20% de vacância antes mesmo do final das obras. Segundo Carla Ponzio, o perfil do empreendimento tem chamado a atenção de agências de publicidade, bancos, empresas de coworking e startups, embora não existam limitações para nenhum ramo de atividades.

Para aproveitar essa oportunidade e conhecer outros detalhes do empreendimento, entre em contato pelo comercial@barzelproperties.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 17 =